segunda-feira, 11 de novembro de 2013

À minha mãe

A minha mãe sempre gostou de ser isso mesmo: mãe. Nunca quis ser tratada por diminutivos (até sermos adultas foi assim, hoje gosta de ser a mummy).

Ontem levei-lhe um livro que gostava que ela lesse. E ela disse que tinha também um para eu ler. Sem termos sequer falado previamente sobre isso, trocámos leituras sobre relações entre pais e filhos. Histórias que marcam e que podem doer. Entendi-o como uma partilha de sentimentos. Já ultrapassámos a fase de não dizer as coisas. Dizemos no momento, no agora, disse ontem, digo-o daqui a pouco. Digo o quanto me orgulho de ser filha dela, o quanto a adoro e admiro, como ela é bonita, que tem a pele mais macia que já conheci e aquele cheiro que nunca ninguém terá, porque cheira a mãe... 

Recordo alguns dos momentos mais difíceis da minha vida... sempre com ela ao meu lado. Na minha fase de ataques de pânico nocturnos, lá estava ela. Acordada, a fazer-me companhia, a inventar conversa apenas para me distrair da ansiedade enquanto bebíamos o chá que ela carinhosamente preparava. 

Lembro-me que, há muitos anos atrás, ela fugia de demonstrações carinhosas na rua. Hoje andamos abraçadas e a fazer palhaçadas, eu a um mês dos 30 e ela com 53. Diz que foi mãe nova demais e que não foi boa mãe nos nossos primeiros anos. Tudo o que possa ter sido menos bom não existe em mim, não me recordo sequer. 

O que é ser uma boa mãe? É deixar os filhos voar, amá-los e apoiá-los incondicionalmente, rir e chorar com eles, transmitir valores, mostrar que há um caminho quando ele parece não existir mas não nos empurrar para ele. Assim és tu, mãe.





11 comentários:

Rita disse...

Muito bom texto sem dúvida.:)

Sérgio disse...

Parabéns a ti e à tua querida Mãe, realço apenas o último parágrafo: "O que é ser uma boa mãe? É deixar os filhos voar, amá-los e apoiá-los incondicionalmente, rir e chorar com eles, transmitir valores, mostrar que há um caminho quando ele parece não existir mas não nos empurrar para ele. Assim és tu, mãe."

beijinhos

Maria disse...

Parabéns às duas...amor é isso mesmo!
Bjs
Maria

Se eu pudesse escrevia um livro disse...

Gostei :)
Gostanto de ver o amor entre mãe e filha.. tal como tenho com a minha mãe :D

A Pimenta* disse...

Bonito texto, se ela o ler de certeza que vai sentir-se orgulhosa da filha que criou :)

Joo disse...

que lindas :)

Maria disse...

um texto bonito*

O Blog da S. disse...

Também prefiro dizer o nome mãe, do que diminutivos.

Gostei do texto!

Roger disse...

Bonito texto :)

Belle du Jour disse...

Também eu tenho divergências com a minha mãe e ela é a mulher da minha vida. Que amo incondicionalmente. Não há mães perfeitas. Há sim amor.

Paula Nogueira Guerra disse...

Que bom teres uma mãe assim.... a minha é exactamente o oposto :(
Aproveita e agradece todos os dias de teres uma mãe maravilhosa.

Um beijo doce xxx