quarta-feira, 14 de outubro de 2015

A mudança de apelido

O ano passado tive de decidir se adoptava ou não o nome do meu marido. Acabei por adoptar apenas o último e não me arrependo (ajuda o facto de gostar bastante do nome).

No entanto, não o utilizo a nível profissional por duas razões: 
- o meu último nome é invulgar (mesmo sabendo que a maioria das pessoas o vai escrever mal da primeira vez);
- como já trabalho há algum tempo na mesma área poderia dar azo a confusão.

No início faz alguma confusão e chegou-me a acontecer estar nas urgências do hospital, chamarem o novo nome e eu não perceber que era a minha vez de ser atendida. 

Amal Clooney (que adoptou o nome do marido George)



12 comentários:

Timtim Tim disse...

Eu não adoptei. Mas penso que se tivesse adoptado, a nível profissional também não usaria. Já sou conhecida com o meu nome de solteira há muito, apesar de já estar com o meu marido há 14 anos.

Evy Percebes disse...

Eu adoptei e custei também a habituar-me, não sei quantas vezes assinei o nome de solteira já estando casada.

Grey disse...

Este post poderia ter sido escrito por mim, e já lá vão (quase) 10 anos que adotei o apelido do marido mas ainda assino o de solteira, na minha profissão. :)

IceQueen disse...

O meu último nome também é invulgar. É por isso que vou querer mantê-lo, caso venha a casar-me =)

Ana Catarina disse...

eu decidi não mudar! além de já ter 5 nomes (dispenso o sexto lol), tenho uma irmã, portanto meu apelido de família irá terminar connosco porque os nossos filhos terão em último lugar o nome do pai e achei que não faria sentido. Também confesso que me iria fazer muita confusão a adaptação a um novo nome, não me imagino com outro apelido! :)

Shinobu disse...

Pensar nisso mete-me tanta confusão... que enfim nem penso! Acho que quando chegar a minha altura, aí vou martelar bem a minha cabeça.

Opinante disse...

Eu adoptei e uso no dia a dia, talvez por ter casado aos 23 ;)

Maria disse...

eu não iria adoptar o nome dele :)

Ana disse...

Caso um dia me case, não penso em adoptar o nome dele. Já o vou adoptar a ele e está bom :)

Anónimo disse...

O meu nome é (e será) o que o meu pai me deu quando me registou. Faz parte da minha identidade. Nunca fez grande sentido acrescentar um apelido (só se fosse um apelido mesmo feio). Se é para criar uma nova família que seja um novo apelido, ou, quanto muito, também ele adotar o meu. Agora mudar apenas eu? Não.

A Pimenta* disse...

Eu não adotei por opção. O meu nome é já de si bastante extenso, mais um e não caberia numa linha. hehehe

Cá de Casa disse...

Também adoptei o nome do meu marido mas mantenho o de solteira a nível profissional.
Não me arrependo nem um pouco :)

Beijinhos,
Carolina