terça-feira, 17 de julho de 2012

Vintage #2

Um dia no meu estágio hospitalar. A visita ao hospital de dia.

Sexta-feira, 9 de Março de 2007

Afectos

Hospital de dia. É o sítio onde os doentes oncológicos fazem as administrações de quimioterapia. Esta manhã fui passar algum tempo neste serviço e foi uma experiência muito emotiva.

O cancro é uma doença cujo próprio nome é assustador, muitos não se atrevem a mencioná-lo, substituindo-o por uma variedade de “sinónimos”. Ao entrar num serviço destes podemos ser bastante surpreendidos. Os doentes têm um sorriso na cara. Sorriem sempre para nós, apesar de sabermos que provavelmente estão desconfortáveis com dores ou com os efeitos do tratamento. Os pais acompanham os filhos, os maridos as mulheres e vice-versa, raramente estão sozinhos. São pessoas de todas as idades, pessoas como nós, pessoas que poderiam ser da nossa família. Tratam-nos como se fossemos conhecidos e nota-se que a relação que mantém com a equipa do serviço é de enorme carinho. Hoje pareceu-me que esta doença (tal como muitas outras, mas esta em particular) desperta os afectos, une as pessoas, movidas pela esperança de cura ou por um final digno, com o máximo de bem-estar possível e o mínimo de sofrimento. Faz-nos pensar na nossa própria vida e nas vezes em que nos aborrecemos com acontecimentos tão insignificantes…

Com um nó na garganta retribui todos os sorrisos.

4 comentários:

JB disse...

É preciso coragem para visitar um sítio desses. E realmente os doentes e familiares têm sempre um sorriso para ofercer. São momentos muito difíceis em que é preciso ter uma força sobrenatural.
As pessoas que passam por isso, de uma forma ou de outra, são postas à prova. E acredita que é a mais dura das provas. A sério.
É importante haver familiares, amigos e pessoas como tu. Obrigada.

Um beijinho,
J

*Lili* disse...

Infelizmente ainda que não tenham coragem os familiares dos doentes têm sempre de visitar esses locais :( para além de me despertar a mim uma sensação de maior afecto para com eles... acho que não aguentaria sem verter algumas lágrimas. É como digo ainda que não queiramos temos de ter coragem.
Beijinho*

Palco do tempo disse...

essa é uma doença das feias... é preciso muita muita coragem para quem a sofre e para quem ve sofrer

Batons e chocolates disse...

Daqui a quatro meses faz 3 anos que perdi a minha mãe, vitima de cancro do pulmão, ela perdeu a luta contra esse vilão! é mesmo muito dificil ver pessoas com essa doença, e é preciso uma enorme coragem para acompanhar essa situção!
Um bem haja a pessoas como tu!
Beijinhos!