terça-feira, 7 de junho de 2011

Horizontes

Durante o curso eu vivia o sonho cor-de-rosa de trabalhar numa farmácia. Talvez toda uma vida. E achava que ia ser muito feliz. E chateava-me com quem me dizia que as coisas não iam ser tão doces como eu imaginava.

A verdade é que aquilo que faço hoje foi abordado numa aula já no final do curso. E eu na altura pensei: mas os farmacêuticos fazem isto? Até parece ser interessante, mas não tem nada a ver com o curso. E toda o curso achou que fazer aquilo era a coisa mais aborrecida e deprimente que um farmacêutico podia fazer. Se eu me via a fazer aquilo? Não... Eu queria era fazer Cuidados Farmacêuticos, aconselhar bem os utentes, ter em atenção sempre as interacções entre os medicamentos e coisas assim muito lindas... mas só em teoria!


E porquê? Porque durante o curso não nos mostraram as diversas possibilidades daquilo que poderiamos vir a fazer. E eu, hoje, sinto-me muito mais realizada a fazer o que faço do que a trabalhar numa farmácia. Se tenho saudades dos tempos da farmácia? No início sim. Hoje, 3 anos depois de ter abandonado a farmácia, muito raramente. Voltaria sem qualquer problema mas, depois de ter contactado com tantos outros horizontes, gostaria de fazer uma carreira diferente.


Fotografia: Dita von Teese

7 comentários:

Rita Super-Mulher disse...

Todos temos essas "duvidas"

*Lili* disse...

Eu concordo com a Rita. E tenho a certeza que agora está a correr tudo bem com o meu curso, e estou a gostar, mas daqui a uns mesinhos se tanto... Vou começar a idealizar as minhas próprias dúvidas, o que é muito chato infelizmente mas acontece.

http://realdreams-liliana.blogspot.com/

stiletto disse...

Já eu escolhi Ciências Farmacêuticas porque tinha um vasto leque de opções e acabei na mais óbvia, Farmácia. Quando entrei para a faculdade era o último sítio onde me imaginava, a ideia era trabalhar em laboratório provavelmente em análises. era muito tímida e nunca imaginaria passar os dias a falar com pessoas. No entanto durante o curso fui mudando, também por motivos que nada tiveram a ver com o curso, e cheguei à conclusão que a minha verdadeira vocação era fazer a diferença junto das pessoas. E tenho sido muito feliz, nos últimos tempos talvez a felicidade tenha sido ensombrada por toda a envolvência social e económica acaba por se reflectir em tudo o que fazemos não é?!

JUST A GIRL disse...

Creio que todos nós idealizamos a profissão que gostaríamos de ter de uma forma sempre muito teórica e às vezes é na prática que acabamos por perceber a nossa verdadeira vocação.
Poucos podem dizer que se sentem realizados a fazer o que fazem, é um grande privilégio. Eu queria ser médica, porque tinha médicos na família e acabei por seguir o meu coração e fazer aquilo que realmente gosto.
Nesse aspecto sinto-me como tu, muito mais realizada e acima de tudo uma privilegiada.

izzie disse...

Isso acontece sempre que as pessoas têm ideias "fechadas" sobre o que se aprende num certo curso.
Eu ainda hoje, quase 4 anos depois, ainda dou por mim a explicar o que faço...

Mas é engraçado que Ciências farmacêuticas seria o único curso que seguiria na área da saúde :)

Beijinho,

Nokas disse...

Neste momento também ando cheia de dúvidas...tal como tu!

Turtle disse...

Para ver se despisto isso, quero fazer uma espécie de estágio no verão numa farmácia, só para ver como é :)