quarta-feira, 30 de abril de 2014

Incontactável...

Memórias de um dia atípico, hoje. Acordei mais cedo, simplesmente não tinha mais sono. Salto da cama, despacho-me e pego nas coisas para sair.

Esta semana estou a ter formação, de maneira que antes de sair ele pergunta: "vais estar contactável?". Ora, mas que raio de pergunta, "claro que sim", respondo eu já com o pé fora de casa.

Ainda relativamente perto de casa, reparo que o sinal do dispositivo mãos-livres do carro não está activo. É então que me lembro que não peguei nos telemóveis. Não os trouxe. Olho para o caminho de volta: trânsito. Mas eu sai mais cedo e tudo... e porque é que entras uma hora antes de toda a gente, vai lá buscar os bichinhos... Não vou. Não fui. Se me esqueci deles era porque não tinham que vir comigo. E sabem o que vos digo, o dia até foi melhor do que pior...

Todo o dia me lembrei das palavras dele... será que agora, para além de médico, lhe deu para ser vidente?!

9 comentários:

Alexandra A. disse...

Ele já estava a pressentir... Sim, se a medicina falhar, pode sempre tentar ser o sucessor da Maya. ;)

The gLiTtEr Side

Petra disse...

hehhehe o teu boy é bruxo rapariga...

Teresa Isabel Silva disse...

Nunca se sabe se le tem alguma vocação escondida.
Mas a verdade é que agora a vida é tão agitada que sem os "bixinhos" até nos sentimos diferentes... Não sei se conseguia estar o dia todo sem eles!

Bjxxx

Jessica Mendes disse...

Talvez a previsão do futuro seja uma nova área da medicina XD

Jessica Mendes disse...

Talvez a previsão do futuro seja uma nova área da medicina XD

Estouvadita disse...

Existem coisas que não se explicam. Sentem-se!

Maggie disse...

Concordo com a Estouvadita... hj qdo sai de casa para ir ao hipermercado e para lhe comprar um presente sem ele saber, o meu marido disse me " vê lá se não compras coisas desnecessárias para além disso"... lolol ele há cada coisa ;)

A vida da Esse disse...

Olá. Desapareci uns tempos mas estou de volta. Vim deixar uma beijoca. :*

A Pimenta* disse...

Na vida não há coincidências. É caso mesmo para pensar que aquela aparente e simples frase acabou por fazer todo o sentido num dia em que a palavra contactável pouco sentido teve.