quinta-feira, 28 de junho de 2012

Solidão

O sentimento de solidão, que tento sempre esconder nas profundezas do meu eu, existe. Sempre existiu e sempre estará comigo. Mudei muito a minha personalidade, o modo de encarar a vida. Deixei o pessimismo, tornei-me numa mulher com garra e que persegue o que deseja, respeitando sempre os outros e, sobretudo, a mim mesma. Procuro evoluir, saber sempre mais, ser reconhecida pelos meus pares... acho que consigo.

No entanto, a solidão consegue dizer: presente. Quase 29 anos. Uma Licenciatura (transformada à última da hora em Mestrado Integrado). A uma semana de ser Mestre de verdade. Não tenho casa própria. Não tenho carro próprio (já tive mas, felizmente, a empresa empresta-me um). Tenho transtornos de pânico e sou medicada há mais de 3 anos. Sou solteira. Sem filhos. Sem planos para... Nunca imaginei estar perto dos 30 e a minha vida ser assim. Tento parecer que sim, luto para que sim, mas não sou feliz como gostaria.

Para a semana vou dissertar de manhã e passar o resto do dia sozinha. Provavelmente vou voltar para a empresa à tarde. Peço só a manhã. Assim como assim, é o trabalho que me apaga esta solidão que trago sempre comigo.

34 comentários:

PinUp Me disse...

Bommmm vamos dar a volta a isto não vamos?
De certo haverá tantas coisas boas que preencham o espaço em falta de outras tantas por concretizar.
Cada coisa chega a seu tempo, já a minha avó dizia e é verdade ;)

Beijinho*

*Lili* disse...

Não te compreendo porque nunca passei por tal , mas também eu não me imagino com 30 anos e ainda viver na casa dos meus pais . No entanto se eu for seguir os passinhos deles sem dúvida que vou acabar por ter um curso mas não vou ter vida própria. Pelo que acho que a decisão que estou a tomar será sem dúvida a melhor para mim ainda que não concordem :( Serei feliz ? Não sei , ainda é uma incógnita , mas para lá tenciono caminhar. Força querida . Beijinho grande e abraço bem forte *

Maria disse...

Não sei o que dizer pois a solidão que dizes sentir eu também a sinto... tenho 37 anos, divorciada, com duas crianças lindas a meu lado, um emprego que apesar de não gostar da area onde estou, aprendi a gostar do que faço, moro numa casa que será minha daqui a 20 anos se nao falhar o seu pagamento, mas... falta algo... falta encontrar-me... não apresses a vida... vive... e aceita o que ela te vai dando de bom e aprende a contornar o que de menos bom te cai no regaço... é o que tenho feito...
Beijinhos minha linda... olha... sei que um dos teus sonhos era o vestido branco, mas pela minha experiencia do que vivi e do que vejo, por vezes, o papel só atrapalha... :)

teardrop disse...

Este blog é um alento para mim... Não sabem a força que me dão aí desse lado! Muito obrigada!

Uma Rapariga Simples disse...

Às vezes as coisas escapam-se das nossas mãos e seguem rumos inesperados.

Às vezes esses rumos parecem maus, mas não têm de ser.

Revejo-me em muitas coisas do que escreveste, nem sei se será bem solidão, talvez desapego, é assim que lhe chamo.

Sei o que é estar anos fora, ter de voltar e perder a independência, sair, voltar e parecer que recuo, cada vez que estou a avançar. A culpa também é minha, escolhi uma profissão que é insegura nos tempos de hoje e já tive de abrir mão de muita coisa. Mas sabes, aquilo que parecia muito mau tornou-se numa coisa positiva. No ano passado decidi pôr mãos à obra, estoirei as economias e restaurei a casa onde vivi quando era pequena. Tenho feito quase tudo, até os móveis restaurei e finalmente tenho a minha casa, o meu espaço. Se andasse de uma lado para o outro de trouxa às costas, ainda não o tinha conseguido.

Sempre imaginei que aos 32 teria um rancho de filhos. Houve alturas que pensei que estava quase lá, como este ano, assim não aconteceu.

Contudo, o mais importante é que percebi que eu tenho de viver. Eu, antes dos outros. As minhas licenciaturas e demais formação é um extra daquilo que sou.

Depois há os amigos, os reais e os virtuais e há os abraços das pessoas que nos querem bem e os sorrisos. :)

Quem te disse que aos 30 tinhas de já ter feito e acontecido? A vida muda num instante, não te consumas com o que não podes controlas.

Agora, vá, uma beijoca e ânimo para a apresentação da tese. És uma mulher corajosa, eu morro de medo de tirar mestrado. :/

Cátia disse...

Bem, eu não sei o que é ter 29 ano e ver que aquilo que idealizámos para essa altura não se está a concretizar. Tenho apenas 21 e tenho a mesma sensação.
Mas força, com o tempo tudo vai acontecer. Não podemos é desistir e fraquecer.

Iza disse...

Querida Teardrop, sabes que não tenho a tua idade mas posso dizer que compreendo o teu sentimento. Eu também sou assim, apesar de por fora não parecer nada disso...
Há dias em que me sinto completamente no fundo, sem saber que rumo hei-de dar à minha vida. Mas há dias melhores!
Tenta focar-te nas coisas boas que tens e naquilo que conseguiste alcançar até agora. Eu só te conheço virtualmente e vejo muita coisa boa na tua vida =P Certamente tu também verás!
E sinceramente, não tenho muita experiência de vida, mas a vida muda a qualquer instante. Há tantas provas disso! Por teres quase 29 anos e achares que não estás no ponto que querias, não quer dizer que daqui a uns meses/anos tudo mude e os teus sonhos se realizem. Não há uma idade certa...
Quanto à medicação, eu sei que é mais fácil falar do que fazer mas não te preocupes com a duração do tratamento, desde que fiques boa :)
Muita força e nunca desistas!

Beijinhos grandes

As Duas na Letra disse...

Fiquei sentida ao ler t... N esta fácil para a nossa geração ter uma vida cm a q sonhamos e o stress n ajuda... Tenho a certeza q td vai mudar pra melhor e daqui a um ano a solidão é algo n tão presente! Paulinha

Marta FG disse...

Puseste-me a refletir na minha vida. Tenho 37 anos e nunca pensei que com esta idade ainda não tivesse filhos. Mas o curso, o trabalho, o custo de vista e não ter encontrado o homem certo (até há 5 anos atrás) não me facilitaram a vida. Mas penso que se os tivesse tido não tinha viajado tanto...é assim que penso...tento pensar nos pontos positivos e deixar os menos bons para trás. Por isso animo e boa sorte.

Little b disse...

Olá teardrop
Tenho menos 2 anos que tu, mas também achava que com essa idade já teria tudo ou pelo menos metade do que projectei ou desejei, como um trabalho estável. mas nem sempre as coisas correm do jeito que queremos.temos é de nos agarrar as coisas positivas, a coisas que nos trazem alegria,felicidade, a nossa família, amigos... é o que costumo fazer sempre que me sinto em baixo.
Desejo-te muita força e que esse sentimento de solidão passe depressa.
Um abraço bem apertado.
bjs
Ps: boa sorte para a tese.és uma mulher cheia de garra ;)

As Duas na Letra disse...

Acordaste mais bem disposta? :)

Boa sexta!!

Paulinha

Fiona disse...

Oh teardrop... Compreendo o que escreves. Muitas vezes as nossas vidas seguem rumos que, há uns anos atrás, nem imaginávamos. Mas vamos ter força e acreditar que tudo pode passar a fazer mais sentido, vamos? :) Vamos rodear-nos de boas energias :). Bjs

Joa disse...

compreendo e envio daqui um abracinho virtual para não te sentires tão só! pensa nas coisas boas que tens e acredita que há vazios que só Deús pode ajudar a preencher! o que precisares estou por perto... ***

Lux disse...

Querida, tenho 32 e como sabes tb já tive a minha dose (e vou lutando todos os dias contra ela) de ataques de pânico.
Aos 30, por causa disso, estive mais de um mês e meio de baixa e não, não foi um bom período, mas o resultado é que agora estou muito melhor e muito mais controlada.
Tenho 32 anos, duas separações, não tenho namorado, não tenho filhos, trabalho e estou a fazer uma licenciatura.
Moro sozinha desde os 19 e não quero outra coisa. Estou sozinha muitas vezes mas nunca me sinto só.
Tenho as minhas gatas e acima de tudo a minha própria pessoa com quem me entendo muito bem.
Todos os dias me levanto e tento ter mais força e ser melhor que no dia anterior.
Não entro em competições comigo própria... Daquilo que idealizei e aquilo que tenho. Tenho aquilo que mereço, aquilo que me esforcei para ter.
O resto? Com o tempo virá ou não... Mas não vale a pena desesperar pelo futuro. Ele acontecerá a seu tempo.
Beijinhos querida.
Lux

Kinhas disse...

"Não faças planos para a tua vida, porque estragas os planos que a vida tem para ti..." Estas palavras foram-me ditas há 3 anos atrás quando descobri um problema que me impede de realizar um dos maiores sonhos: ser mãe. Depois disso fiquei sozinha porque alguém não aguentava ver-me sofrer. E hoje estou aqui, com muita força para mostrar ao mundo que sou eu que faço o meu destino, deixando-me guiar pelo que a vida me dá.

Estar sozinha pode não ser mau, não ter filhos também... Tens saúde? Tens trabalho? então apega-te a eles... E faz disso a tua prioridade. Olha todos os dias ao espelho e diz alto para que tu ouças: eu sou perfeita, e hoje vou brilhar!

Tens de ser tu a gostar de ti, e a acreditar em ti, e não os outros. A tua vida começou contigo, não precisas de a adornar para seres feliz. :)

MC- Maria Capaz disse...

Sou bem mais nova e já penso nisso :s

Palco do tempo disse...

a vida nunca é com idealizamos, como queríamos que fosse... mas não vale a pena desesperar, pensar muito nisso porque só nos faz, na maioria das vezes, infelizes. Provavelmente alcançaste coisas [boas, positivas] que achavas não conseguir alcançar com a tua idade... Temos que nos focar nas coisas boas que a vida nos dá... :) O amanha será sempre um dia mais perto de tornar os sonhos em realidade :) Beijinho grandeeeeeeeeeeeeeee

Golden disse...

Oh querida.... Sei bem o que é sentir a solidão, é triste quando queres sair de casa ou falar e não teres com quem o fazer...
A vida nem sempre corre como desejávamos, mas não desistas... Vais ver que as coisas vão mudar. Não podes é ficar sentada à espera... Qualquer coisa, estou aqui para ti. ***

Joana disse...

Olá!

Não conhecia o teu blog, mas gostei e vou seguir-te :)

Em relação ao teu post, eu acho que é normal e intrínseco ao ser humano sentirmo-nos sós e pensarmos que a nossa vida não corre como planeámos. Mas depende de nós mudá-la, ou simplesmente ter paciência para esperar por circunstâncias mais vantajosas nas quais possamos agir mais facilmente ;)

Beijinhos :)

Espiral disse...

Percebo bem o que dizes. Tenho menos dois anos que tu e uma parte de mim esperava já tar numa relação duradou e estável, ter casa própria, tlv ja filhos e emprego certo e condições decentes.

A maior parte das coisas não tenho, mas é verdade que a vida muda de repente, e pelo de há dois meses para cá tenho uma pessoa que me faz feliz. Espero que encontres algo que te faça feliz *

Verde disse...

34 e estou assim também ;)

Não está sozinha acredita!

Estrelinha disse...

Deixo-te um beijinho grande e muito boa sorte para a apresentação, vou estar a torcer por ti :) Beijinho

Ricardo Meneses disse...

Ao ler este post fiquei ... sem palavras, sem saber o que escrever ou dizer!

Quando menos se espera depara-mo-nos com algo que transforma a nossa vida, aconteceu comigo, digo-o por experiência própria.

Tenho 40 anos, sou casado faz 12 anos em Setembro, amo a minha mulher,talvez, mais do que quando a conheci, tenho 3 filhas e tento, todos os dias, buscar a felicidade na simplicidade das coisas, nos pequenos nadas.

Beijinho e bom fim de semana!

Denise disse...

Revejo-me um pouco com o que escreveste. Tenho 25 anos e estou a terminar o mestrado. A diferença é que vivo em casa dos meus pais, não tenho rendimentos, basicamente não tenho nada a que possa chamar de meu...

Acho que a vida nunca é como nós imaginávamos, dá muitas voltas.

Força, um dia esta maré vai virar... A solidão não vai estar sempre ai...

bjinho :)

Just a Lady disse...

Envio-te um abraço apertado e desejo-te muita força, tu és forte :)
Beijinhos*

*C*inderela disse...

infelizmente a vida nunca é como a nós a planeamos, sobretudo quando pensamos em objectivos a longos prazos.
vive um dia de cada vez e verás que mais cedo ou mais tarde as coisas começam a realizar-se.

Força*

D. disse...

A solidão que falas, aliada à história da Maria que tem o 3º comment, aliada a mais uns "pózinhos" sou eu. Essa solidão também é mimnha.
É quase a sensação de ter e não ter.
[ainda ontem escrevi um post sobre esse sentir]
Boa sorte

saracr disse...

tb vivo em casa dos pais com 26 anos e sozinha,sem carro e sozinha a nível amoroso.
Se precisares d companhia nesse dia da tese, se fores do Porto estou livre, já que agr estou de férias prolongadas lol

margarida disse...

Como correu a dissertação?
Teardrop, vivo sozinha na Suécia e há muitos dos meus sonhos que ainda não se realizaram, e alguns já não vão realizar porque o acabar a universidade e casar um ano depois já passou. Estou longe da minha família, não tenho namorado e gostava muito de ter filhos tipo, para o ano, mas não me parece que vá acontecer. No entanto há outras coisas boas que não sabia que existiam e embora não sejam o que tinha desejado para mim, são minhas e aceito-as. Como li num comentário anterior, de um dia para o outro tudo muda. Temos que acreditar.
Beijinho

Heriwen disse...

Este post poderia ter sido escrito por mim (exceto a parte da empresa), também eu a uma semana de defender a tese ;)

É angraçado que a coisa da qual tenho mais medo, a solidão, parece andar sempre por perto. Há dias piores, felizmente poucos. Porque essa garra de que falas é a nossa arma =)

Bjinho*

Suspiro disse...

Tiraste-me as palavras da boca! :)

Deia disse...

adorei!!!!!

Tenho Ditto disse...

Somos as principais inimigas de nós próprias porque projectamos a vida de uma maneira que raramente vai ao encontro das nossas expectativas. Achava eu aos 20 que aos 30 estaria completamente diferente do que estou hoje. Cheguei aos 30 e percebi que afinal com 30 ainda me sinto com 20. Se estou como gostaria? Não. E tenho medo que seja sempre assim: que não é bem nem mal, é nada! Melhores dias virão! Assim espero!

Anónimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra
http://prezzoviagraitalia.net/ prezzo viagra
http://precioviagraespana.net/ viagra generico