quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Eu de A a Z - Parte II

Fernando Pessoa: o meu escritor preferido. Consegue surpreender-me sempre. Uma obra de rara qualidade, extensa, ousada, diferente. Para o seu tempo Pessoa era um visionário.



Gótico: uma fase muito importante da minha vida. Não cheguei a ser uma gótica no verdadeiro sentido da filosofia, mas o refúgio no preto e nas músicas tristes e sofridas, foi o salto para conseguir ser a pessoa positiva que sou hoje. Pela minha experiência, acho que quem já esteve no lado negro acaba sempre por ficar com um bocadinho dessa escuridão cá dentro. Talvez para nos recordar que a vida merece ser vivida e aproveitada (ao contrário da letra da Join me dos HIM "this life ain't worth living", que ouvia até à exaustão).



Hoje: a letra G acaba por nos trazer até esta palavra. Vivi muito tempo a pensar no passado. Depois virei-me para o futuro, planos, sonhos, ideias... Só que não estava a fazer aquilo que era o correcto, viver o dia-a-dia. Aproveitar aquilo que a vida nos dá no imediato. Ontem? Já passou e não podemos voltar atrás... Amanhã? Pode ser demorado e não sabemos se existirá. Não vivo na loucura do dia, mas aproveito melhor os momentos.



Irmã: esta era óbvia e vou ter que ser repetitiva. O melhor que os meus pais me deram. Uma benção na minha vida. A força que me move muitas vezes. Um amor incondicional. O meu maior orgulho. A minha melhor amiga. Há momentos em que não precisamos falar, apenas olhar-nos e há momentos em que não nos estamos a ver e ainda assim sabemos como está a outra.



Jantares: são um dos meus pequenos luxos. Gosto de oferecer um jantar num sítio num sítio especial em vez de outros presentes. Foi assim que já conheci alguns dos melhores restaurantes de Lisboa, acaba por ser uma prenda para mim e para a outra pessoa, um momento especial, de confraternização e de boa comida.

3 comentários:

Manuela disse...

Querida Teardrop, cada vez gosto mais de ti, sabes? Tens garra, e assumes as tuas qualidades, como assumes os teus fracassos. E não tens medo das novidades e segues em frente!
Ah, e também tive a minha fase neogótica, mas que no meu tempo se chamava punk. Herdei dessa altura o gosto pelo preto, pela irreverência e as minhas depressões...
Parabéns, pela tua frontalidade! :)

Panda disse...

Nunca tive uma fase gótica, embora conhecesse muita gente assim.
Os meus pais teriam um troço LOL
Essa ideia dos jantares é excelente, eu vou sempre aos mesmos sítios. :/

Vaca na Lua disse...

Estou a gostar de ler, especialmente da letra H.

Bjito directamente da Lua