terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Dor

Amar alguém implica sentir as dores dessa pessoa. Por mais que me tenha sacrificado e continue a sacrificar, vejo que os erros se repetem quando não deviam. Não consigo fazer muito mais. Comprei muitas guerras ao longo da vida, muitas das vezes senti que lutava sozinha contra algo que talvez estivesse mal só no ponto de vista. E agora, chegando perto dos 30 anos, já fora de casa, entristece-me que as todas as minhas batalhas tenham sido em vão.

Por mais sucessos que eu tenha tido, por mais obstáculos que tenha conseguido superar, não me recordo de ter sido verdadeiramente reconhecida. Não me lembro de alguém me ter dito que estava feliz por mim. E cruzei muito do caminho sozinha, a lutar por mim e por conseguir ser alguém. Apesar de tudo o que passei, hoje sou uma pessoa feliz, mas com muitas mágoas dentro de mim que tendem a esfumar-se perante a alegria de ter mais um dia para viver. Mas hoje não...

Por mais que tenha tentado proteger-te das dores que senti, não consegui ser bem sucedida. E agora dói-me por ti, como já me doeram tantas outras vezes. Orgulho-me da pessoa que és. Da pessoa que, acredito, mais do que ninguém, lutei para que fosses...

1 comentário:

Lita disse...

Força. Continua a lutar e não percas a tua força. O amanhã pode mesmo ser melhor... pelo menos eu acredito nisso.

beijinhos

Lita